Sábado, 4 de Abril de 2009

A GUERRA - 1961 - QUITEXE

 

Estamos metidos num Gueto
Mesmo à beira do barranco
Mata-se o Branco por ser Branco
E o Preto só por ser Preto
 
A Guerra tudo destrói
E com a sua crueldade
É uma chaga que dói
N a vida da humanidade
 
O Homem fica demente
Perde o uso da razão
Deixa mesmo de ser gente
Vira abutre ou gavião
 
No horror da luta armada
Jaz no chão uma Criança
Desventrada à catanada
 
Ó meu Deus, como consentes
Tanto ódio acumulado
Tanta morte de inocentes
Tanto sangue derramado
publicado por Quimbanze às 22:27

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 11 de Agosto de 2007

O TERRORISMO

É a resposta brutal

A todas as injustiças

A todo o mal social

 

Terrorista Guerrilheiro

Condenado, perseguido

É um homem destemido

Que não luta por dinheiro

 

Em vida dá o que tem

Dá o bem e faz o mal

Quando procura afinal

Que esse mal seja um bem

 

Na hora da Libertação

Já não é mais terrorista

É o herói da Nação

O seu maior Estadista

 

E é nesta contradição

Que não é racional

Que se procura a razão

que há entre o bem e o mal

publicado por Quimbanze às 08:38

link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 10 de Junho de 2007

EM MEMÓRIA AOS VELHOS DO QUITEXE (todos meus amigos)

 

 

 

 

Velho, velho, Maculundo

De tão alva carapinha

Tens a verdade do Mundo

Que ninguém mais adivinha

 

E quando um dia

Descer à cova

Este velho que foi justo

Que na vida até foi Soba

A mando do Muniputo

Ficará dele uma história

Por sinal bem aflita

Levou com a palmatória

Do cipaio e do capita

 

Humilhado e surrado

Este homem resoluto

Em vida tão mal tratado

A mando do Muniputo

publicado por Quimbanze às 23:50

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 29 de Maio de 2007

RECORDAÇÕES

Acordei já não dormi

Pus-me então a recordar

O que a saudade faz lembrar

Do tempo que já vivi

 

Neste mundo que rebola

Que gira sempre, sem findar

Recordei terras de Angola

Onde um dia fui parar

 

Nada aqui é igual

Do que é em Portugal

Tudo é diferente

Os costumes e a gente

 

São diferentes no sorrir

E no jeito de vestir

Na maneira de tratar

E na forma de falar

 

Quando aqui desembarquei

Tinha um desejo muito meu

Ser patrão sempre sonhei!

Vejam só, o que então aconteceu:

 

Como numa sentença lida,

Eu fui logo promovido

Na hierarquia da vida.

Não me senti ofendido

Mas fiquei muito surpreso,

Com tamanha distinção,

Eu que sempre fui um teso

A ser chamado de patrão

 

Mas é já uma tradição

É o trato desta gente

Aqui todo o branco é patrão

Mesmo que seja servente

publicado por Quimbanze às 21:34

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 27 de Maio de 2007

Homenagem

       

        João Nogueira Garcia foi, sem dúvida, um grande varzeense, com um carinho muito especial pela terra adoptiva, o Quitexe. Sempre viveu intensamente tudo o que dizia respeito a estas duas localidades. Tudo o empolgava, como se de um legado pessoal se tratasse. Porque a Várzea (Vila Nova do Ceira) era a sua terra. Aí nasceu,em 1926, estudou e cresceu até que, aos treze anos, ainda menino da sua mãe, foi para Lisboa aprender o ofício de caixeiro. O miúdo, franzino, viu-se, de repente, feito homem na grande urbe, longe dos carinhos maternos. Subiu todos os degraus da profissão e em 1947, com 21 anos, rumou a Angola, no porão de um navio, em busca da terra prometida. Rapidamente a sua experiência no comércio lhe permitiu construir a sua própria casa comercial no posto administrativo do Quitexe, a terceira a ser edificada no local.

        Casou em 1951 com Maria Aline que o acompanhou nas aventuras angolanas e ao longo da vida. O bom relacionamento e o respeito que nutria pelos povos desta região angolana foram fundamentais na expansão das suas actividades. Já em colaboração com o seu irmão Alfredo foi também agricultor de café e industrial. No Quitexe, que rapidamente cresceu e se tornou vila, nasceram os seus filhos. Envolvido na barbárie que toldou os espíritos de portugueses e angolanos em Março de 61, soube afirmar o seu carácter no respeito pela dignidade humana, contra a violência, a vingança e o terror. Deixou-nos o relato desses dias negros no repositório de memórias que é o livro “Quitexe 61 – Uma Tragédia Anunciada”.

        De regresso à sua terra, é aqui que vai refazer a sua vida e empenhar a sua capacidade empreendedora.

        Foi com enorme prazer que o acompanhei, desde miúdo, nesses seus múltiplos empenhos., Em 1964 fundou a Empresa Cerâmica da Várzea, fomentando a criação de emprego e a dinamização do comércio e indústria na sua terra.

        Dedicado Varzeense foi um abnegado impulsionador, fundador e dirigente da Cooperativa Silvo-Agro-Pecuária de Vila Nova do Ceira e esteve na vanguarda do ressurgimento da Filarmónica Varzeense.

        Lutador pela liberdade, contra a ditadura salazarista, participou activamente na oposição democrática, nomeadamente nas campanhas eleitorais de Humberto Delgado, em Angola, e da CDE em 69.

 

        Não esqueço, como nas eleições de 69, aos 12 anos, ajudei a colar selos nos envelopes que levavam aos eleitores os boletins de voto da Oposição Democrática. Naquele tempo os eleitores tinham que ser portadores do boletim de voto! Eram tempos negros em que a opressão era a lei.

         Foi de uma geração em que, para se ser político interveniente, fora da corte salazarista da União Nacional, era necessário muita coragem, determinação e, acima de tudo, amor à causa da liberdade e desprendimento de valores materiais. Talvez por isso, foi crescendo a sua desilusão com esta sociedade em que o dinheiro é cada vez mais rei e os princípios, as amizades e os compromissos são espezinhados na voragem da ascensão rápida a cargos e honrarias.

        De facto, a sua intervenção não era marcada apenas pelo obreirismo, esgotando aí a sua realização pessoal. Pelo contrário, visava objectivos políticos bem determinados e balizados. E um deles era a esperança que depositava no cooperativismo, como expressão da solidariedade social, sem fins lucrativos, e a negação da exploração humana. Era nestes ideais que acreditava e, por isso, era determinado na sua defesa o que lhe acarretou incompreensões, desapontamentos e até ingratidão.

        Diria, em síntese, que foi um Homem que não se limitou a plantar uma árvore, mas uma floresta inteira;

        Não se limitou a escrever um livro, escreveu muito mais do que apenas as palavras: redigiu um testemunho vivo de que os valores da dignidade, da exaltação da vida, da amizade e da solidariedade são universais, eternos e compensadores;

        Não se limitou a ter filhos, antes cultivou o sentido da família como ponto central de afectos, união, amizades e cumplicidades.

        Ao meu Pai, o meu obrigado!

publicado por Quimbanze às 15:50

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.links

.posts recentes

. A GUERRA - 1961 - QUITEXE

. O TERRORISMO

. EM MEMÓRIA AOS VELHOS DO ...

. RECORDAÇÕES

. Homenagem

.arquivos

. Abril 2009

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.pesquisar

 

.Abril 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.mais sobre mim

.Mapa

satelitní mapu Quitexe
blogs SAPO

.subscrever feeds